31 maio 2016

Andrei Nascimento, gerente técnico da unidade Animais de Companhia, fala dos cuidados para evitar a raiva em animais


Em Boa Vista, Roraima, um caso de raiva humana que vitimou um adolescente de 14 anos, mordido por um gato adotado pela família, foi pauta em diversos veículos de comunicação local. O gerente técnico da unidade de negócios de Animais de Companhia, Andrei Nascimento, foi entrevistado pelo Jornal Folha de Boa Vista, de Roraima, para falar sobre os cuidados para evitar a raiva em animais.

Na reportagem, Andrei explicou que a raiva humana é uma doença 100% letal, mas ao mesmo tempo é totalmente possível de prevenir, já que as vacinas disponíveis no mercado possuem efetividade altíssima. “Os animais domésticos não são os vetores da doença, que é transmitida na maioria das vezes por ratos e morcegos. Pode acontecer, principalmente, no contato do cão e do gato com animais silvestres”, esclarece.

Andrei recomendou que as pessoas tenham cuidado ao entrar em contato com algum animal que não seja de seu convívio, até porque não se conhece a história, nem o estilo de vida e riscos que podem existir. Caso ocorra a mordida é preciso fazer a lavagem com água e sabão no local da mordida imediatamente. Além disso, é importante procurar a unidade de saúde mais próxima.

De acordo com o gerente técnico, a pessoa ferida deve tomar todas as vacinas antirrábicas logo após o ferimento. Ele destacou que, apesar dos riscos, a população não deve deixar de adotar cães e gatos. “É importante que, quando adotar um animal, procure adotar devidamente vacinado. A legislação recomenda que os animais sejam vacinados anualmente”, afirma.