20 agosto 2015

Cães

Brasília tem ação que marca a Semana Nacional de Combate e Controle à Leishmaniose

Iniciativa para conscientizar a população sobre a gravidade da doença e importância da prevenção será realizada, com o apoio da MSD Saúde Animal 
 
A leishmaniose visceral, também conhecida como calazar, é uma doença endêmica no Brasil, transmitida pela picada de um mosquito. A doença é incurável e pode matar o cão e colocar em risco a vida das pessoas que convivem com ele, e tem como principal método de controle a prevenção. Para fornecer informações sobre como cada cidadão pode ajudar a conter o avanço da doença, foi sancionada em 2012 uma Lei Federal que instituiu a Semana Nacional de Combate e Controle à Leishmaniose, celebrada anualmente na semana que incluir o dia 10 de agosto - este ano, aconteceu entre os dias 10 e 14. A MSD Saúde Animal, referência mundial no controle e na prevenção da leishmaniose visceral canina, apoia esta iniciativa e durante todo o mês de agosto realiza atividades de conscientização e alerta aos proprietários de cães sobre a importância da prevenção.
 
As atividades da Semana Nacional de Combate e Controle à Leishmaniose esclarecem a população sobre o que é a leishmaniose, como ela é transmitida, seus sintomas e como prevenir que pessoas e animais sejam infectados, orientando a população sobre a importância em combatê-la.
 
Em Brasília, será realizada uma ação de conscientização sobre a importância do controle da leishmaniose no sábado, dia 22 de agosto, no Parque da Cidade Sarah Kubitschek. O evento contará com mini-palestras, médicos veterinários orientando sobre a doença e a importânciae da prevenção, distribuição de material informativo e sorteio de brindes. Além das atividades, para cada animal participante que estiver encoleirado com Scalibor®, a coleira recomendada mundialmente pelos principais especialistas para proteger os cães das picadas do mosquito transmissor da leishmaniose visceral, a Vet Center Comércio de Produtos Veterinários vai encoleirar um cão de ONGs da região com a mesma coleira.
 
A leishmaniose visceral mata mais do que a dengue. O último levantamento oficial do Ministério da Saúde, do ano de 2013, mostra que de 2010 a 2013, 928 pessoas morreram no Brasil vítimas de leishmaniose visceral, enquanto que 847 morreram por causa da dengue no mesmo período. A região do Distrito Federal e entorno é considerada área endêmica. De acordo com informações da Secretaria de Saúde, no primeiro semestre de 2015 foram confirmados 21 casos de leishmaniose em humanos e três óbitos provocados pela doença. Pesquisas apontam que para cada humano infectado, há 200 cães com leishmaniose. 
  
 
Números da leishmaniose visceral:
 
 
- É a segunda doença parasitária que mais mata no mundo;
- Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença registra anualmente 500 mil novos casos humanos no mundo com 59 mil óbitos;
- Quando não tratada, pode evoluir para óbito em mais de 90% das ocorrências;
- Na América Latina, ela já foi detectada em 12 países e destes, cerca de 90% dos casos acontecem no Brasil, onde, em média, 3.500 pessoas são infectadas e mais de 200 morrem anualmente;
- Pesquisadores estimam que nas áreas endêmicas, para cada humano doente, existam 200 cães infectados. 
  
 
Serviço:
Semana Nacional de Combate e Controle à Leishmaniose
Data: 22 de agosto
Local: Parque da Cidade Sarah Kubitschek - Eixo Monumental Sul, S/N, estacionamento 13, próximo à administração
Horário: das 09 às 12 horas